Petistas usam palanque de Padilha para rebater vaias na cerimônia de abertura e atribuem hostilidade à oposição

No lançamento da candidatura de Alexandre Padilha em São Paulo, petistas mostraram neste domingo um discurso afinado na defesa da presidente Dilma Rousseff contra os xingamentos direcionados a ela durante a abertura da Copa do Mundo, na quinta-feira.

Dilma sobre hostilidade na abertura da Copa: ‘Não me abaterei com isso’

 
 
Alexandre Padilha e Luiz Inácio Lula da Silva são vistos no 18º Encontro Estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) de São Paulo. Foto: Futura Press
1/6
 

Cancelamento: Esperada para alavancar Padilha, Dilma fica em Brasília por Merkel

Os líderes que discursaram durante o evento atribuíram a hostilidade à presidente durante o jogo Brasil versus Croácia à oposição e a uma parcela da população que quer “uma volta ao passado” e não suporta assistir à inclusão social promovida pelo PT.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que os ataques a Dilma partiram de pessoas sem educação e de representantes da elite brasileira, “sem calo na mão”. “Aquelas pessoas tinham cara de tudo, menos cara das pessoas trabalhadoras deste País.”

Mensalão: Convenção distribui postais em apoio a Dirceu, Cunha, Genoino e Delubio

Emidio Souza, presidente do diretório estadual do PT, defendeu Dilma, e disse que os autores dos xingamentos não representam o povo brasileiro. “Muitos dos que vaiaram eram da mesma turma dos que nunca andaram de metrô em São Paulo. Só andaram em Paris e em Londres.”

Datafolha: Alckmin venceria no primeiro turno em São Paulo com 44%

Em seu discurso, o ex-ministro da Saúde prometeu fazer sua campanha sem baixar o nível dos ataques aos opositores. “Nós vamos até perdoar aquela grosseria com a presidente Dilma. Perdoar, não para esquecer, mas perdoar para não deixar que o ódio invada o coração vermelho”, disse.


Twitter/Reprodução
Ex-ministro Alexandre Padilha é visto em telão de convenção estadual do PT que lançou sua candidatura ao governo de São Paulo

Além de Emidio e Padilha, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, o senador Eduardo Suplicy e o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, também defenderam Dilma.

Em video enviado aos militantes petistas, a presidente também fez referência aos xingamentos e à parcela que “não suporta os avanços”. “É isso o que eles invadem e xingam”, disse.