Presidente do Santander confirma demissão por informe sobre Dilma

Emilio Botín não deu detalhes de quem foi demitido

por Leandra Lima


Presidente do Santander falou sobre a polêmica envolvendo informe do banco – Camila Maia / O Globo

RIO — O presidente mundial do Santander, Emilio Botín, confirmou nesta terça-feira que demitiu uma pessoa pela emissão do informe emitido pelo banco que relacionava a melhora da presidente Dilma Rousseff nas pesquisas de intenção de voto à piora da economia brasileira. O empresário deu a declaração no início desta tarde durante a coletiva de imprensa realizada logo após o encerramento do III Encontro Internacional de Reitores, patrocinado pelo banco espanhol, realizado no Rio de Janeiro.

— A pessoa foi demitida porque o banco, advertido, disse que tinha que ser demitida antes — disse aos jornalistas, sem mais detalhes.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu na noite de segunda-feira a demissão da pessoa da diretoria responsável pela emissão da análise, e disse que o Brasil é o país que mais dá lucro ao banco.

— Não tem nenhum lugar do mundo em que o Santander esteja ganhando mais dinheiro do que no Brasil. Aqui ele ganha mais do que em Nova York, mais do que em Londres, do que em Pequim, Paris, Madri, Barcelona —, disse o ex-presidente, ao participar da 14ª plenária da CUT em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo. Botín já declarou que um quinto da economia do banco é obtida no país.

Sobre a insatisfação de Lula com o episódio, o empresário espanhol se limitou a dizer ser amigo do ex-presidente.

— O presidente Lula é muito amigo meu, e para ele só tenho elogios — declarou.

Na mesma ocasião, Botín defendeu que a ausência de um representante do governo federal não tirou o brilho do evento, porque “este foi um encontro de reitores”.