Marina cita a Bíblia e livra Dilma das acusações sobre escândalo da Petrobras

Por Wanderley Preite Sobrinho – iG São Paulo | 08/09/2014 12:28 – Atualizada às 08/09/2014 15:22

Texto
  •  

Candidata do PSB não saiu em defesa de Campos, mencionado no caso: “todo rigor às investigações, doa a quem doer”


Wanderley Preite Sobrinho/iG -8.9.14
Marina Silva durante visita a creche no bairro do Bom Retiro, em São Paulo

 

A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, não poupou o PT, mas livrou a presidente Dilma Rousseff de responsabilização direta sobre o suposto desvio de dinheiro da Petrobras para pagar o apoio de parlamentares e até de ministros de Estado ao governo federal.

Marina defendeu investigação “rigorosa”, recusou-se a defender Eduardo Campos – citado como participante do escândalo – e parafraseou a Bíblia para dizer que tem compromisso com a “verdade dos fatos”.

As declarações foram feitas nesta segunda-feira (8), durante visita a uma creche no Bom Retiro, em São Paulo.

Marina foi questionada sobre as possíveis consequências para a sua candidatura caso as investigações provem o envolvimento de Campos – seu antigo companheiro de chapa, morto em 13 de agosto num acidente de avião.

A candidata não tentou proteger Campos ao pregar “todo o rigor” necessário às investigações, “doa a quem doer”. Marina defendeu o trabalho da Polícia Federal, ao dizer que, quando era ministra do Meio Ambiente, a corporação ajudou a desbaratar quadrilhas na Amazônia contribuindo para a redução dos desmatamentos na região.

Marina atribuiu a corrupção na Petrobras “ao atual governo”, que seria “conivente” com os supostos desmandos na estatal, mas poupou Dilma: “A presidente tem responsabilidade política. Eu não seria leviana de levar o caso pessoalmente”, disse ela ao criticar a posição de Aécio Neves, o candidato do PSDB à Presidência, que pede a condenação da petista. “Não vou ganhar nenhuma eleição a qualquer preço.”

Leia: Marina diz que PT e PSDB se uniram e fazem “campanha desleal” contra ela

A pessebista preferiu prometer que, se eleita, suas indicações para administração da estatal serão técnicas. Até lá, defendeu apuração dos fatos e reafirmou seu compromisso “com a verdade” ao concluir a entrevista coletiva citando uma passagem bíblica: “Conhecereis a verdade e ela te libertará.”