Igor Gielow

Aécio, segundo ato

BRASÍLIA – Aécio Neves chega ao fim do ano como candidato ao posto de primeiro líder de oposição viável desde a ascensão do PT ao poder em 2003, algo que José Serra e Geraldo Alckmin não conseguiram após perderem suas eleições presidenciais para o time lulista.

A abulia histórica do tucanato fez do seu PSDB um partido que encarnava a oposição algo efetiva apenas em campanhas, mas não entre elas.

Sua maior bandeira, a gestão econômica, foi absorvida por Lula-1. A fórmula se repete agora com a ida de Joaquim Levy para a Fazenda, o que leva a um primeiro desafio para Aécio: dizer o que ele faria de diferente.

Nas contas tucanas, Levy só colocará a casa em ordem se usar remédios amargos. Das duas, uma: ou afeta o que ainda sustenta Dilma (emprego), ou não consegue tirar o país do buraco. Resta ao PSDB dizer qual dose de qual veneno ele iria usar.

Mais: a energia da quase vitória na eleição ainda está no ar, com o fastio ao PT visível em centros urbanos. Assim, Lula está com a faca nos dentes, acossado pelo escândalo da Petrobras e pela agenda de crise do governo. O resto de ministério medíocre em favor da governabilidade montado por Dilma é corolário disso.

No pós-eleição, Aécio assumiu um tom mais agressivo. Mas não sobreviverá quatro anos só com isso, tanto que busca agenda propositiva e aliados como o PSB, e ainda tem de descobrir como dissociar o descontentamento com o governo dos urubus que pedem a volta da ditadura –como disse, são os black blocs a assombrar uma oposição renovada.

Se conseguir manobrar por esses obstáculos em 2015, Aécio poderá chegar a 2016 como fiador de palanques de oposição fortes nas principais capitais. Precisa manter adversários internos por perto e provar que estão errados eles e os inimigos, que o tacham como inapetente. Dando certo, dificilmente perde a braçadeira de capitão da equipe que enfrentará em 2018 o PT de, ou com, Lula.