Temer servirá bem a Dilma até quando?

03/06/2015 – 03h00

Ricardo Noblat

Micher Temer (PMDB-SP), vice-presidente da República, assumiu a coordenação política do governo para tentar salvar a presidente Dilma Rousseff de um vexame inesquecível.

Pressionada por Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, Dilma havia decidido tirar da coordenação política o ministro Pepe Vargas (PT-RS).

Eduardo jamais perdoou Pepe por ter operado para evitar sua ascensão ao cargo de presidente da Câmara.

Dilma convidou Eliseu Padilha (PMDB-RS), seu ministro da Aviação Civil, para substituir Pepe. E – pasme! – Eliseu recusou o convite. Alegou que se tornara pai recentemente.

ADVERTISEMENT

Desculpa rota!

Uma vez que Temer assumiu a coordenação política, Padilha concordou em assessorá-lo na nova função. E hoje trabalha mais do que antes.

Não há data marcada para que Temer se despeça da coordenação política do governo. E nada, por enquanto, o obriga a deixá-la um dia.

Mas a ele foi encomendado que cuidasse da aprovação pelo Congresso do ajuste fiscal. E a aprovação vai bem, obrigado. Em breve estará liquidada.

Haverá sentido em que depois disso Temer continue tocando a coordenação política? O que acontecerá quando ele, como presidente do PMDB, discordar do que pense a presidente?

Temer, por exemplo, concorda com a tese de Eduardo de que a redução da maioridade penal é um assunto a ser tratado pelo Congresso – pelo governo, não.

Eduardo não só pensa assim como é favorável à redução da maioridade penal.

Dilma é contra. E orientou o ministro da Justiça a procurar a oposição para juntos encontrarem uma maneira de derrotar Eduardo.

Quanto a Temer… Como ficará na foto?

O ministro da Justiça substituirá Temer sempre que o vice-presidente for voto vencido dentro do governo?

Isso tem tudo para dar errado.

Michel Temer e Dilma Rousseff  (Foto: Ueslei Marcelino / Reuters)Michel Temer e Dilma Rousseff (Foto: Ueslei Marcelino / Reuters)