Efeitos do clima

Especialistas alertam que El Niño pode ser o mais forte de todos os tempos

Fenômeno deste ano poderá superar o mais intenso da história, há 18 anos, quando estragos se espalharam pelas cidades do RS

Por: Joana Colussi
13/10/2015 – 04h04min
Especialistas alertam que El Niño pode ser o mais forte de todos os tempos Douglas Beutinger Rychescki/Especial

Nos hectares já colhidos, Blanke, de Giruá, colheu menos do que projetava no início da safra de trigoFoto: Douglas Beutinger Rychescki / Especial

O El Niño do século, em 1997, ensinou o mundo a temer o fenômeno, que, em 2015, pode mostrar fúria ainda mais intensa. Ao identificar que a temperatura da superfície do Oceano Pacífico está mais quente do que o normal, satélites da Nasa levam especialistas a prever um evento tão forte quanto ou até mesmo superior neste ano. Em uma das regiões brasileiras mais sensíveis ao fenômeno, o sul do país, os efeitos já são sentidos em cidades assoladas por enchentes e na produção agrícola.

Nível do Guaíba atinge maior marca em 74 anos

Conforme cientistas da Nasa, todos os sinais indicam que o El Niño deste ano será de moderado a forte. As análises dos mapas de calor no Pacífico mostram semelhança muito grande com o mesmo período de 1997, o início do mais intenso El Niño já registrado (veja abaixo).

http://www.clicrbs.com.br/sites/swf/zh_iframes/tpce-v0.0.9.html?width=640&height=953&scrolling=no&content=http%3A//www.clicrbs.com.br/sites/swf/zh_arte_infograficos_imagem_estatica/index.html?img=http%3A//zerohora.clicrbs.com.br/rbs/image/17683234.jpg&lnk=

— Não existem dois eventos iguais. Mas as observações indicam para uma equivalência entre 1997 e 2015, o que sugere efeitos semelhantes — destaca o professor Francisco Eliseu Aquino, climatologista do Centro Polar e Climático da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Naquele ano, o El Niño desarrumou o clima no mundo, com enchentes, terremotos, furacões e secas em diferentes países.

No Brasil, as semelhanças entre os fenômenos já são sentidas, com cheias no Sul, secas no Nordeste e aumento do calor no Sudeste. Em 1997, o inverno foi ameno, com temperaturas acima do normal e calorão fora de época — parecido com o deste ano.

— Em 2015, tivemos o agosto mais quente do século. Estamos em um ano anomalamente quente, em que o El Niño também tem influência — explica Aquino.

Até 400 milímetros de precipitação

O quadro de similaridade com aquele ano é reforçado com os altos volumes de chuva registrados em setembro e outubro na região sul do Brasil. O excesso de umidade, tanto naquela época como agora, provoca perdas na fruticultura e nas lavouras de inverno.

— As chuvas ficarão bem acima da média até o fim do ano. A intensificação das precipitações ainda está por vir — confirma o meteorologista Rogério Rezende, do 8° Distrito do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

A previsão do Inmet é de que as precipitações em outubro e novembro fiquem de 50 a cem milímetros acima da média para o período — se aproximando de 300 milímetros na Metade Sul e 400 milímetros no Norte.

Para as lavouras de inverno, como o trigo, e para a fruticultura, o excesso de umidade compromete em cheio a produtividade. Também atrapalha o plantio de culturas de verão, como o arroz.

— Os efeitos da chuva em demasia são cumulativos: a cada nova precipitação, as perdas aumentam. O tempo fechado também prejudica a luminosidade e facilita o aparecimento de doenças nas plantas — explica o agrônomo Alencar Rugeri, assistente técnico da Emater.

Leia mais: montanha-russa do tempo mexe com as lavouras

Para Rugeri, novos estragos às culturas de inverno ainda estão por vir, caso os prognósticos de chuva para outubro e novembro se confirmem. Não bastassem os efeitos do El Niño, as lavouras de trigo ainda foram impactadas por forte geada em setembro — que comprometeu boa parte da produção em regiões que plantaram o cereal mais tarde.

A chuva em excesso poderá ainda atrasar o plantio das culturas de verão, devido à dificuldade de preparo do solo. A situação preocupa especialmente os arrozeiros, que já cultivam o cereal em terrenos alagados e deverão conter o volume de água.

Mas nem tudo são trovoadas no campo quando se fala em El Niño. Historicamente, o fenômeno costuma ser benéfico para as safras de soja e de milho, que precisam de precipitações no verão.

— Os prognósticos indicam um verão com volume regular de chuva, o que tende a ser benéfico à soja e ao milho — aponta Flávio Varone, meteorologista da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro).

http://www.clicrbs.com.br/sites/swf/zh_iframes/tpce-v0.0.9.html?width=640&height=1533&scrolling=no&content=http%3A//www.clicrbs.com.br/sites/swf/zh_arte_infograficos_imagem_estatica/index.html?img=http%3A//zerohora.clicrbs.com.br/rbs/image/17683197.jpg&lnk=