Petrobras:relator da CPI recebeu R$ 1 milhão de empreeiteira
Empresas investigadas na Lava Jato teriam financiado parte da campanha do relator e do presidente da CPI
25 FEV 2015 11h18 atualizado às 11h51
separator74COMENTÁRIOS
O deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), escolhido para ser o relator da CPI da Petrobras, teve 40% das despesas da campanha do ano passado bancadas com recursos de quatro construtoras investigadas na Operação Lava Jato, segundo informações publicadas nesta quarta-feira pelo jornal Folha de S.Paulo. De acordo com a publicação, Sérgio recebeu R$ 962,5 mil das construtoras Queiroz Galvão, OAS, Toyo Setal e UTC.

SAIBA MAIS
Temer diz a Dilma que pode perder controle do PMDB
Collor nega ter recebido propina da BR Distribuidora
Por R$ 350 mil, BB patrocinou programa de Val Marchiori
Lula: corrupção na Petrobras é “caca” de pequeno grupo
<p>Luiz Sérgio chegou a negar o cargo, mas aceitou ser o relator da CPI</p>
Luiz Sérgio chegou a negar o cargo, mas aceitou ser o relator da CPI
Foto: Facebook / Reprodução
De acordo com publicação, o deputado federal Hugo Motta (PMDB-PB), presidente da CPI, teve 60% de sua última campanha paga com recursos dessas empresas, arrecadando no total R$ 742 mil.

Motta, que tem 25 anos e está em seu segundo mandato, é ligado ao grupo do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) Vital do Rego (PMDB-PB), que comandou a última CPI sobre a estatal. A assessoria do deputado informou à Folha que as doações recebidas foram indiretas, por meio de repasses feitos pelo PMDB, e que ele não tem ligação com a captação dos recursos.

Hugo Motta foi quem anunciou a escolha de Luiz Sérgio como relator da CPI, consolidando o controle do governo sobre as investigações.Sérgio chegou a dizer que não aceitaria a função, mas mudou de ideia e passou a encarar o fato como uma missão partidária. De acordo com O Globo, antes da indicação do deputado, parte do PMDB e outros partidos do bloco eram contra a cessão da relatoria a um petista por acreditar que seria um sinal para a sociedade de que tudo acabará em “pizza”.