Se não chover… Mais 29 cidades sem água até março

Comitê de Segurança Hídrica projeta colapso no abastecimento em mais municípios nos próximos meses. Adutoras e poços substituem a água de mananciais que secaram em 4 anos

NOTÍCIA1 COMENTÁRIOS

Crise hídrica no Ceará

As reservas quase escassas ou zeradas em várias cidades, sol impiedoso aumentando níveis de evaporação, chuvas mínimas em quatro anos e indicação de que serão também muito poucas no ano que vem. A continuar o que está posto, a projeção é que pelo menos mais 29 municípios cheguem a março de 2016 sem ter mais de onde buscar água para abastecer suas sedes. E tudo será revisto se qualquer chuva boa aparecer até lá.
O cenário foi confirmado na última reunião do Comitê Estadual de Segurança Hídrica, realizada sexta-feira (6), no Palácio da Abolição. Seis municípios entraram na fase crítica de abastecimento em novembro, outros 15 entrarão entre dezembro e janeiro e mais oito até fevereiro ou março. Até o fim de outubro, eram 19 cidades na relação das que estavam com seus mananciais colapsando. Pacoti estava nessa lista, mas recebeu um aporte de novos poços perfurados.
Segundo Gianni Lima, assessor da presidência da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), Ibicuitinga, Arneiroz, Indepedência e Quixeramobim “estão em situação mais preocupante atualmente por serem cidades de maior porte” e as soluções emergenciais demandarem um pouco mais de tempo do que a urgência da necessidade.
Nas medidas emergenciais previstas, o açude Pedras Brancas, de Quixadá, socorrerá Quixeramobim. Ibicuitinga será abastecida por um trecho de Morada Nova do Eixão das Águas (canal que liga o açude Castanhão à Bacia Metropolitana). Independência terá água do açude Jaburu II e Arneiroz finalmente contará com o Arneiroz II, já que o açude Macauim não tem mais como atender à demanda local.

42 adutoras

Segundo o assessor da Cogerh, as adutoras de engate rápido evitaram que 42 municípios cearenses continuassem sob colapso hídrico. Os equipamentos transferem a água de mananciais para regiões mais críticas. Foram 11 instaladas entre 2013/2014, oito em 2014, 21 entre 2014/2015 e mais duas neste semestre. Outras quatro deverão ser montadas até o fim deste ano.
A previsão é que o governador Camilo Santana (PT) participe da próxima reunião do Comitê de Segurança Hídrica, sexta-feira que vem, dia 13. “Ele será informado das medidas e dos casos mais críticos, para saber que soluções poderão ser adotadas”, informa Gianni Lima.