Nova presidente do BNDES dá de 10×0 em todas as ministras de Dilma

O PT puxa cada conversa que até parece estar pedindo para apanhar. Resolveram colocar sua militância histérica para fazer fricotinho e dizer que “faltavam mulheres” no governo Temer. Só faltou eles explicarem que no governo Dilma a maioria das ministras mulheres eram colocadas em ministérios humilhantes de terceiro escalão. Para piorar, quase ninguém ali tinha qualificação para assumir qualquer tipo de ministério que merecesse ser levado a sério. A política de Dilma humilhou as mulheres.

Enquanto isso, Temer escolhe para a presidência do BNDES a executiva Maria Sílvia Bastos. Prestem atenção: é uma executiva! Ou seja, alguém que conquistou espaço no ambiente corporativo, onde teve que demonstrar valor, algo que os petistas jamais conseguiram gerar. Leia mais:

BRASÍLIA – A Presidência da República confirmou que a executiva Maria Sílvia Bastos será a nova presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em substituição a Luciano Coutinho. O anúncio ocorre após o presidente em exercício Michel Temer (PMDB) sofrer críticas de que não havia nomeado mulheres para integrar o primeiro escalão de seu governo.

Maria Sílvia é doutora em economia e foi a primeira mulher a ocupar a presidência da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), entre 1999 e 2002. Também foi secretária de Fazenda do Rio de Janeiro no governo do ex-prefeito Cesar Maia (1993-1996). A executiva foi ainda pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e sócia de consultoria, além de trabalhar na Empresa Olímpica Municipal (EOM) na Prefeitura do Rio de Janeiro.

O ministro do Planejamento, Romero Jucá, elogiou a indicação de Maria Sílvia Bastos Marques para o BNDES. “É um convite para alguém competente e experiente para fazer um bom trabalho”, afirmou. “O presidente (em exercício) Michel Temer a escolheu pela sua competência”, acrescentou, ao ser questionado sobre a ausência até este momento de mulheres em cargos de alto escalão no governo Temer. (Com informações de Anne Warth e Eduardo Rodrigues)

E no site Implicante encontramos ainda mais informações:

A economista foi a primeira e única mulher a ocupar a presidência da Companhia Siderúrgica Nacional, a maior siderúrgica integrada da América Latina. Por tal fato ganhou a alcunha de “Dama de Aço”.

Foi secretária municipal de fazenda da cidade do Rio de Janeiro de 1993 a 1996 na gestão do prefeito César Maia e ficou conhecida como a “Mulher de 1 Bilhão de Dólares”, referência ao valor do caixa do município deixado após sua saída, um fato inédito.

Em quarenta anos, a única representante feminina a ocupar um cargo de diretoria no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Incluída na lista da Revista Time como única mulher entre os doze executivos mais poderosos do mundo , no primeiro ano de sua gestão dobrou o faturamento da CSN. Antes de entrar para essa empresa, havia rejeitado convite do então presidente da república, Fernando Henrique Cardoso, para conduzir a Petrobrás.

Maria Silvia Bastos é a segunda mulher a integrar o alto escalão do governo Temer, que já definiu que será uma mulher a ocupar a Secretaria de Cultura. Dilma e simpatizantes do PT haviam criticado a ausência de mulheres no novo governo.

Vale lembrar a lista das “ministras” de Dilma:

  • Kátia Abreu (Agricultura)
  • Ana Cristina Wanzeler (Cultura)
  • Tereza Campello (Desenvolvimento Social)
  • Ideli Salvati (Direitos Humanos)
  • Luiza Barros (Igualdade Racial)
  • Izabella Teixeira (Meio Ambiente)
  • Miriam Belchior (Planejamento)
  • Eleonora Menicucci (Políticas para as Mulheres)

A única que pontua medianamente aí é Kátia Abreu, que hoje está queimada até com a CNA. Ou seja, manchou o currículo. E perto da nova presidente do BNDES devia se envergonhar. E Kátia Abreu, como já disse, é a melhorzinha da lista. E quanto a Miriam Belchior? Sem qualquer tipo de experiência corporativa respeitável. Mas ela era esposa de Celso Daniel, morto em um escândalo envolvendo o PT. Enfim, é só investigar os nomes e comparar.

Me parece que a ideia de dar chilique contra o ministério de Temer pode fazer o PT dar com os burros n’água, pois tudo dá a entender que ele vai nomear mulheres de currículo e envergonhar o ministério feminino de Dilma na comparação.

Os petistas merecem mais este escracho!

Com uma mulher na presidência do BNDES, Temer fez mais pela representação feminina do que Dilma, com seus ministérios de terceiro escalão e composto de pessoas sem qualificação. Eu não tenho dó de comparar!

Fonte: Após críticas, governo Temer escolhe uma mulher para presidir o BNDES – Economia – Estadão